sábado, 9 de outubro de 2010

Eu queria evitar a fadiga

Eu só queria entender uma coisa: porque algumas pessoas têm aquilo que vou chamar de "síndrome de Jaiminho". Pra quem não sabe, estou falando daquele carteiro da série Chaves que sempre dizia que queria evitar a fadiga e, por isso, não fazia seu trabalho direito. Sim, porque algumas pessoas, de fato, sofrem desse mal. Queria entender qual a dificuldade de se fazer as coisas que devem ser feitas, especialmente em ambiente de trabalho. E na verdade até entendo: PREGUIÇA. Sim, bando de preguiçosos! Porque as pessoas mandam e-mails com recados específicos esperando uma resposta, nem que seja "OK". As pessoas falam bom dia esperando uma resposta, nem que seja um aceno de cabeça. As pessoas pedem café na padaria esperando que o atendente não bata a xícara no balcão, jogando todo ódio de sua vida em cima do cliente. E pedem licença esperando que lhe dêem passagem! Então me pergunto: cai o braço se digitar "OK" e clicar em enviar? Cai o maxilar se der um sorrisinho tímido em resposta a um bom dia?? Ou dá torcicolo se balançar a cabeça em agradecimento, quando alguém segura a porta pra não bater na sua cara?? Credo, quanta falta de gentileza. Quer coisa menos gentil do que receber um serviço rápido e bem feito e nem sequer dizer um "obrigado"? Só tem duas explicações pra isso: grosseria ou preguiça. E as duas esbarram na falta de educação. A mesma falta de educação que faz alguém largar a porta do corredor na sua cara mesmo vendo que você está a 30 centímetros de distância. Ora, mas o que custa um pouco de gentileza? Custa... cansa! Deve cansar muito, aliás! Porque afinal, pra que elas vão gastar tantas calorias e neurônios interagindo com os outros, sendo que podem usá-las consigo mesmas e com seu vasto umbigo? Depois não entendem quando a gente larga a porta na cara delas, nem quando para de responder aos e-mails, nem quando a gente simplesmente não quer mais papo. Outro dia mesmo um sujeito passou reto por mim e largou esta maldita porta que mencionei na minha cara. Não tive mais dúvidas. Suspendi para ele o meu bom dia e na primeira oportunidade PIMBA! Larguei a porta na cara dele! Adiantou algo? Duvido. Não sei o que adiantaria com esse tipo. Queria mesmo era entender por que piorar as coisas, quando podemos melhorá-las...

terça-feira, 24 de agosto de 2010

GPS pra que?????

Definitivamente, as novas tecnologias não facilitam em nada a vida dos idiotas. Sim, porque afinal, eles se atrapalham com elas. E não há Cristo que dê jeito!! Vejam o que me ocorreu hoje. Estava voltando para casa de táxi, feliz por não ter que usar o transporte coletivo, e topei com o que? Qual a melhor coisa pra se encontrar num táxi?? Um motorista que não tem senso de direção!! NENHUM senso de direção, mesmo! Nunca desejei tanto estar dentro de um ônibus! O condenado em princípio parecia muito simpático, porém logo eu e meu colega de viagem vimos que ele poderia ter qualquer outro talento que não o volante. A cada curva errada ele foi cultivando um pouquinho de espaço no meu coração. Aquele espacinho especial, reservado aos pequenos ódios da vida. Desde o primeiro solavanco eu e meu colega nos entreolhamos com cara de "óh, céus! estamos perdidos!". Não, ele não apenas errou o caminho, como também nos proporcionou muitos trancos e chacoalhões. E depois de muitas curvas bruscas, finalmente pegamos um retão e o carro parecia obedecer a uma trajetória quase normal. Eu até me tranquilizei, comecei a me perder em pensamentos e, quando estava quase cochilando, veio a pergunta fatal: "era aqui que eu tinha que entrar?". Ahhhhhhh! Eu já tinha falado pra ele pegar a tal avenida, e estava crente de que ele ao menos saberia chegar lá. Engano completo. Quando vi onde estávamos já era tarde, e já tínhamos passado uns dois bairros pela marginal Pinheiros, sem nenhuma perspectiva de retorno. Nessa hora, desesperada, pedi pra ligar o GPS, e foi o que fizemos. E vocês acham que nosso motorista seguiu o bichinho direito? Claro que não!! Acho que vi o GPS traçar umas 15 rotas diferentes pra chegar no mesmo lugar... tenho dó do meu amigo, que ainda seguiu viagem com aquele asno no volante! E deve estar me xingando pela minha distração, e com razão! Era evidente que não podíamos confiar naquele jegue.

*Desculpa, 50! É que eu também não tenho senso de direção. Mas tenho bom senso e por isso não sou motorista!!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Muito obrigada, srs. Gerentes!

Ah, hoje estou aqui para homenagear com dóceis e gentis palavras as figuras que mais amo no meu ambiente de trabalho: os meus gerentes! Sim, que pessoas incríveis! Pensam no funcionário! Mais precisamente, pensam em f**** o funcionário! Porque esses incompetentes fazem o favor de emperrar todos os procedimentos que funcionam e segurar você até mais tarde. E você faz hora-extra a troco de que? De naaaaaada! Porque afinal de contas, você vai publicar um informativo depois do expediente, quando não há mais leitores no departamento inteeeeiro! E por que não publicar, neste caso, amanhã cedo, já que a funcionária exemplar aqui sempre chega com muitos minutos de antecedência?? Porque meus gerentes querem agradar ao chefe deles!! Simmmmmmm, tudo isso pra mostrar um serviço que poderia ser muito mais eficiente e menos dispendioso se AS PESSOAS ENROLASSEM MENOS DURANTE O DIA PRA FAZER SUA PAAAAAARTE NO PROCEEEEEEEEEESSO!!!!

Brava, eu? Nunca! Fico mesmo é furiosa com meus adoráveis chefinhos...

domingo, 15 de agosto de 2010

Trânsito de @##%@!


Tem coisa mais enxaqueca que o trânsito de São Paulo, onde você pode ser brindado com um engarrafamento às 2 da madrugada?

Claro que tem! Os novos limites de velocidade, mais limitados e TOTALMENTE sem aviso, os chamados radares-caça-níqueis [para levantar mais fundos, através de multas, para as eleições que despontam por aí!]

Dia de semana. Noite. Trânsito flui. Maravilha! Saí do tunel Juscelino e ingressei na mesma velocidade na Av. Sena Madureira [o limite no túnel e na avenida eram os mesmos: 70 km/h. Veja bem: ERAM!]

E feliz da vida, porque não tinha trânsito!!! Feliz da vida até tomar uma martelada na cara, de uma placa indicando 60km/h, a mais ou menos 2 metros de distância de um poste de radar fotográfico! Que beleza! Nem preciso dizer que foi enxaqueca instantânea, né? E eu havia passado no dia anterior na mesma avenida, mas não havia qualquer menção à mudança sacana que estava sendo planejada. Quantos outros incautos não devem ter sido premiados com multinhas de velocidade acima da permitida?

Radar disfarçado de vaquinha via controle.radar

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Tossida na cara nunca mais!

Pois é... é de fato muito agradável levar uma tossida na cara. Aqueles milhões de restos de saliva voando na sua direção, carregando micróbios e vírus de inúmeras classes e espécies, são uma delícia, não é mesmo? Claro que as chances de isso acontecer com um hipocondríaco são quinhentas vezes maiores do que com qualquer outra pessoa. Mas isso não vem ao caso agora. A questão é que eu não entendo qual a dificuldade das pessoas em colocar a mão, lenço ou ombro na frente da cara quando tossem ou espirram. Gente, evitar epidemias é dever de todos! Não, não estou falando isso porque sou hipocondríaca, e sim porque odeio essa porquice! Tem uns que fazem até ventinho no nosso cabelo, tal a fúria da tossida. Que nojo!

Minha campanha é: cubra sua tosse! E o espirro também! Por favor!

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Cornetada na corrente!

Sim, hoje vim aqui só para dar uma "cornetada" naquilo que considero um dos maiores inimigos públicos dos usuários de e-mail: as malditas "correntes". Depois dos vírus e spams, não há nada pior para chegar na sua caixa de entrada. Mas para dar corpo a esta reclamação, lembremos das origens não tão remotas das "correntes". Na época em que devotados supersticiosos se lançavam pelas ruas de sua vizinhança, em busca de caixas de correios escolhidas aleatoriamente (claro que, quanto mais perto fosse, melhor, pois andava-se menos), você sempre corria o risco de ser contemplado com uma benção maravilhosa, uma sorte incrível, a própria fortuna em forma de uma simpática cartinha que contava "causos" de pessoas que enriqueceram do dia para a noite, curaram-se de doenças, e por aí vai. E por que elas foram abençoadas? Porque elas não quebraram a tal da corrente. Bastaria você repassar 7, 8, 10 ou muito mais cartas como aquela (e isso incluía o artesanal trabalho de escrever carta por carta manualmente, e também o braçal esforço de ir colocando as cartas nas caixas de correio por aí) que você também seria agraciado de alguma forma. Mas calma, nem tudo era assim tão lindo. Se você não fizesse isso... ai de você! Você perderia seu emprego, morreria de uma grave doença, perderia sua família num desastre nuclear, seria abduzido por extra-terrestres malignos e teria seu cérebro sugado por eles! Dava um medo danado, não dava? Não!! Dava era uma raiva tremenda! Algum desocupado qualquer tinha te rogado aquela praga de "escrever e repassar ou ignorar e se f****". Mas a tecnologia fez o favor de facilitar tudo, inclusive a vida desses pentelhos. Hoje tudo piorou. Porque não bastasse o fato dessas tais correntes serem infindáveis e muito frequentes, são SEUS PRÓPRIOS AMIGOS QUE TORTURAM VOCÊ COM ELAS!! Por isso, eu imploro:

PAREM COM AS CORRENTES!! Ninguém morre de não passar corrente, do contrário eu já estaria com certeza na minha milésima oitava encarnação.

domingo, 8 de agosto de 2010

reclama, fdp!


Ok, nunca
NUNCA
nunca
mais vou reclamar do meu trabalho
(mentira, e este espaço aqui é pra reclamar mesmo)


Acho que vi uma galinha sem capacete, seu guarda!


Este merece o prêmio Darwin...






Nós moçoilas, poupadas da maioria dos trabalhos ditos de macho como o de desentupidor de fossa, na verdade também nos vemos sujeitas a humilhações e aperreios nem sempre quantificáveis, porém às vezes piores do que coleta de sêmen de cavalos...

Mas quem eu não queria ser era aquele cara do elefante, isso eu não queria mesmo de jeito nenhum!

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Que número é isso?

Tenho muito do que reclamar, mas para inaugurar este adorável espaço de reclamações, gostaria apenas de dizer que estou revoltada com as numerações das lojas, cada vez mais estranhas. Quem usava 42, agora usa 36; e eu que usava 36, faço o que? Ando pelada??? Compro roupa de criança?? Caceta, viu! Vai ser lindo eu indo trabalhar de crocs rosa e camisetinha da Barbie!

O mais inusitado é que quem usa numeração 48, diz que as roupas desse tamanho estão pequenas! Ou estão fazendo tudo do mesmo tamanho, ou querem nos enlouquecer!!